Revista
Tiempo Latinoamericano

   ES      EN      PO

Apresentação

Com a publicação da REVISTA TIEMPO LATINOAMERICANO, desde 1982, no último ano da ditadura militar na Argentina, um grupo de cristãos de Córdoba, com uma perspectiva ecumênica, pluralista e libertadora, oferece suas páginas às comunidades de base, paróquias, movimentos de jovens, de mulheres e organizações sociais, sindicais e políticas, recuperando a memória do Bispo mártir Dom Enrique Angelelli. Seu lema Com um ouvido no Evangelho e o outro no Povo inspira o propósito de revitalizar o compromisso por uma sociedade justa, fraterna e solidária. Em suas páginas o debate social, político e bíblico-teológico é fomentado; reflexões teóricas e experiências de organização popular, locais, nacionais e latino-americanas são compartilhadas.

As lutas, contradições e desafios presentes nos processos populares suscitaram temas como a democracia participativa, povos originários, direitos humanos, o cuidado do meio ambiente, gênero e construção do martirológio Latino-Americano.

Editorial (Maio 2021). "Façam isto em memória de mim" (LC.22,19)

Revista nº108O processo pascal indica-nos o caminho do projecto no qual optamos por comprometer a nossa vida. O mandato de celebrar a memória pascal se atualiza cada vez que nos encontramos e renovamos gestos e palavras para reincidir em ações que mantenham sua vigência. Não há Páscoa sem comunidade... Continuar a ler...

Editorial (Novembro 2020). A tarefa da amizade social

Revista nº107Este lembrete de João 15,13 é o núcleo da amizade social. Supera as intenções individuais para se tornar obrigação comunitária. A convocatória é no plural. Não pode cumprir-se o mandato de Jesus sem optar por uma marcha coletiva, em comunidade, organizados como povo para tornar possível o pão, o abrigo, a habitação, a saúde, a liberdade e demais condições de humanidade... Continuar a ler...

24 de março. (Fazer) Memória

Video 24 de marzo

"Precisamos que a memória das injustiças e atropelos padecidos, nos incentivem a defender a justiça e o direito em todos os âmbitos e para todos por igual.

Precisamos que a memória das falácias, silêncios e mentiras com que se pretendeu ocultar aquele genocídio, nos faça tomar consciência das famílias destruídas, os lares mutilados, a sociedade inteira atropelada, não serão restaurados sem a verdade e a sinceridade". 24 de marzo. ¿Y si ensayamos la memoria? - Revista Tiempo Latinoamericano n°59 - Mayo de 1998. Continuar a ler...